Especial

Dieta de revista pode ser perigosa

05 fevereiro 2013

05 fevereiro 2013

Leia nosso estudo, que analisou regimes publicados em sete revistas, e saiba como não cair nas armadilhas que podem fazer mal para sua saúde. 

Alimentos não fazem milagres

Não existe alimento com milagroso poder de cura. Entretanto, não é isso que algumas revistas femininas dão a entender. Entre as sete publicações que analisamos (AnaMaria, Boa Forma, Corpo a Corpo, Dieta Já, Malu, Sou+Eu e Viva), 66% delas traziam dietas com alguma alegação funcional ou de saúde. Para você entender melhor, vejas alguns exemplos:

  • Revista AnaMaria, nº 801: “Chia - Ajuda no tratamento do câncer de mama, deixa a pele mais bonita, controla a pressão e reduz o diabetes”.
  • Revista Dieta Já, nº 204: “Com poder antioxidante, o chá-verde combate inflamações e ajuda a digestão”.
  • Sou + eu, nº 276: “Abacaxi: digestiva, desintoxicante, combate o acúmulo de gordura abdominal, aumenta a saciedade, diurética, desincha, anti-inflamatória”.

Como você pode ler, essas dietas indicam um ‘poder’ a mais que o alimento em destaque tem, além de nutrir. O resultado é um pouco preocupante, porque, na maioria das vezes, esses “poderes milagrosos” de alguns alimentos não são comprovados cientificamente. E o modo como isso é colocado nas revistas faz com que o leitor acredite em uma função que, na verdade, aquele alimento não tem.

Poucas orientam atividade física

Outro dado preocupante é que apenas 43% das revistas associa a dieta a alguma atividade física. E 83% dos regimes são atestados ou têm um cardápio sugerido por um profissional, como nutricionista, e às vezes, médicos e preparadores físicos. Entretanto isso não é garantia de que você pode seguir a dieta sem receio. 

A revista Malu tem o hábito de associar suas dietas a resolução de doenças.

Imprimir Enviar a um amigo