Especial

Dieta de revista pode ser perigosa

05 fevereiro 2013

05 fevereiro 2013

Leia nosso estudo, que analisou regimes publicados em sete revistas, e saiba como não cair nas armadilhas que podem fazer mal para sua saúde. 

Entrevista: as armadilhas das revistas

Bianca Alighieri é jornalista, redatora da Proteste e mestre em ciências da comunicação. Há cinco anos estuda as estratégias das revistas femininas para conquistar cada vez mais leitoras – mantendo as antigas e atraindo novas. Nesta entrevista, ela nos explica quais são as artimanhas utilizadas pelas revistas femininas para convencer as mulheres de que elas devem seguir um padrão estético semelhante ao das celebridades.

De que forma as revistas convencem as mulheres de que elas precisam estar dentro de um padrão de beleza específico?

São várias as estratégias utilizadas pelas revistas com esse intuito. Entre elas podemos citar a modelo que ilustra a capa. Repare como elas são sempre esbeltas, magras e bonitas. Mulheres que estão “acima do peso” ou não se enquadram nesse padrão imposto pela mídia, em geral, só ganham destaque quando conseguem perder os “quilinhos” a mais. Enquanto estiverem “gordinhas” terão pouco ou nenhum espaço nessas revistas. As chamadas de capa também contribuem para esse fim, com frases como “Cintura de Barbie, reduza 11 cm e elimine de vez os pneuzinhos” ou “A receita fácil do shake gelado que tira gordura” ou “6 alimentos que secam sem esforço”. Elas quantificam as soluções ofertadas, para mostrar que possuem a ‘solução exata’ para o problema da leitora. E expressões como “sem esforço” e “fácil” passam a ideia de que é possível atingir este ideal de beleza sem dificuldades. Ao visualizar semana após semana esse padrão feminino estampado nas revistas, acabamos por nos convencer de que estamos fora de um grupo seleto, onde apenas as magras podem participar e por isso “precisamos” nos remodelar para ingressar nesse time.

 

As publicações, com frequência, associam um padrão de beleza a uma celebridade, como isso influencia a leitora?

O mundo das celebridades chega até nós como um conto de fadas. As pessoas são belas e realizadas nas vidas profissional, pessoal e amorosa. Quem não quer essa vida perfeita? O que as revistas fazem é “tentar” transformar o mundo mágico das celebridades em algo real para as mulheres comuns. E fazem isso, principalmente, pelo viés estético. É frequente encontrarmos chamadas como “Magra para sempre – Renata Ceribelli revela como se mantém longe das tentações” ou “Sheron Menezes – Os segredos de beleza da atriz”. As revistas se colocam como um guia que irá orientar a leitora a atingir esse modelo de vida. É por isso que é importante para elas estampar nas capas apenas fotos de celebridades que não se envolvem em escândalos, por exemplo. Ou seja, que além de um padrão estético de magreza e beleza, também mantenha uma vida discreta e de sucesso para que a identificação por parte da leitora seja maior.

 

Então devemos deixar de comprar essas revistas?

Não precisamos ser tão radicais. Muitas dessas publicações oferecem além de “soluções” para perder peso, orientações importantes sobre cuidado com os filhos, saúde e até como aumentar a renda. O ideal seria que elas respeitassem mais o modo de vida e a estética da mulher brasileira, que acabam sendo deixados de lado em prol de um padrão estético que foge da nossa realidade e que exige um sacrifício muito grande para ser alcançado. Você não precisa deixar de ler essas publicações por causa disso, até porque a prática da leitura é sempre enriquecedora, mas saiba ter discernimento para identificar as informações que vão deixar a sua vida mais prática e ajuda-la a atingir seus objetivo futuros.

Bianca Alighieri
Bianca Alighieri - Jornalista da Proteste

Imprimir Enviar a um amigo