Especial

Dieta de revista pode ser perigosa

05 fevereiro 2013

05 fevereiro 2013

Leia nosso estudo, que analisou regimes publicados em sete revistas, e saiba como não cair nas armadilhas que podem fazer mal para sua saúde. 

Dietas precisam ter reeducação alimentar

Depois de observarmos um total de oitenta edições das revistas AnaMaria, Boa Forma, Corpo a Corpo, Dieta Já, Malu, Sou+Eu e Viva, observamos que cada uma tem um perfil de dieta particular, até para se diferenciar umas das outras e oferecer algo exclusivo para a leitora.

Entretanto, existem algumas similaridades entre elas e uma delas é não levarem em consideração as necessidades nutricionais individuais. E, por isso, podem representar risco às pessoas que se dispõem a segui-las, especialmente em grupos nutricionalmente vulneráveis, como gestantes, nutrizes, crianças e adolescentes, e em pacientes com fatores de risco para o desenvolvimento de transtornos alimentares.

Pouco incentivo à atividade física

A maioria delas apela para a fórmula “emagreça muito em um curto espaço de tempo”, usando técnicas de marketing para “fisgar” a mulher que quer emagrecer aparentemente sem muito esforço. Alimentos milagrosos, fitoterápicos ou suplementos alimentares e resultados rápidos são algumas das ferramentas utilizadas para convencer a leitora de que ela pode emagrecer com aquela dieta.

Em geral não incentivam a reeducação alimentar e a prática de atividade física, essenciais para um emagrecimento saudável e duradouro. Vale lembrar que dietas muito restritivas sem acompanhamento de um profissional especializado pode ser nociva à saúde.

Nossa orientação para você que deseja emagrecer de forma saudável, é procurar um nutricionista, pois este é o profissional mais indicado para fazer um planejamento alimentar, de acordo com as necessidades, rotina e perfil de cada indivíduo.

Mistura boas dietas e dietas muito restritivas que não priorizam a reeducação alimentar.

Imprimir Enviar a um amigo